José Maria Costa: não podemos ser meras testemunhas a reforma Europeia

This post is also available in: Inglês, Francês, Espanhol

Como sabem, este ano marca o início de uma nova configuração europeia à qual não podemos assistir apenas como meras testemunhas; devemos agir enquanto representantes dos cidadãos.

O Presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, acaba de apresentar o Livro Branco sobre o futuro da Europa. A Conferência das Cidades do Arco Atlântico pretende analisar e contribuir com a sua visão e expectativas.

Como Fórum Urbano Atlântico, primeiro temos de olhar para o futuro e para os limites da política de coesão, bem como da Agenda Urbana Europeia.

Assim, gostaria de propor às cidades da nossa rede um novo mapa que realmente tenha em consideração a extensão do Oceano Atlântico, e especialmente nossos vizinhos britânicos.

Em segundo lugar, deve ser aproveitada a oportunidade do Ano Europeu do Património Cultural, e construirmos juntos uma estratégia de atração turística, cultural e de talento que sirva para colocar os ativos do Atlântico ao serviço do desenvolvimento sustentável dos nossos territórios.

Finalmente gostaria de propor a introdução de uma Agenda Marítima Europeia às instituições comunitárias.

Temos de determinar os planos de desenvolvimento em vista o planeamento de continuidade num território Atlântico que se estende desde a costa até as terras do interior.

Portanto, seria um prazer dar-lhe as boas-vindas, nos próximos dias 28 e 29 de abril, na Assembleia Geral da Conferência das Cidades do Arco Atlântico.

 

Não é tarde demais para se inscrever:

Séminario : A agenda marítima da UE : uma visão territorial

Assembleia Geral