Autarcas vão assumir grandes responsabilidades e terão de se exceder a si mesmos

Durante a apresentação do novo Instituto do Território, na Fundação  Calouste Gulbenkian, em Lisboa, o primeiro-ministro sustentou que, no atual  contexto de globalização, «é cada vez mais clara a necessidade de mudança  nas prioridades ao nível local» e que «essa mudança de prioridades deverá  fazer dos políticos municipais os grandes estrategas e, simultaneamente,  as forças operacionais do desenvolvimento económico no território do município».

«De lidar essencialmente com o quotidiano urbanístico do município,  teremos de evoluir para o lidar quotidiano com o desenvolvimento económico  das populações. Devemos fazer bem esta mudança, que é tanto política e administrativa  como cultural. Temos de saber, concomitantemente, criar economias de escala  e reforço de poder e de capacidade ao nível sub-regional», prosseguiu Passos  Coelho, concluindo: «Os tempos que se aproximam exigirão aos autarcas e  às associações de municípios que se excedam a si mesmos, porque assumirão  grandes responsabilidades».

Passos Coelho considerou que está vencida «a batalha pelo acesso das  populações às infraestruturas básicas» e disse esperar que rapidamente «a  estabilização do sistema urbanístico num sistema bem mais simples e controlado»  esteja ultrapassada. 

Mais informação: SIC Noticias

Compartir