A favor de um Corredor Atlântico e de uma Estratégia Macro-regional

This post is also available in: Español (Espanhol) Français (Francês) English (Inglês)

No dia 7 de Fevereiro a Mesa Executiva, reunida em Bruxelas, aprovou o documento de posicionamento das Cidades Atlânticas sobre a necessidade de melhorar a Rede Transeuropeia de Transporte (RTE-T) no eixo Atlântico. Nosso posicionamento visa apresentar, em conjunto, a prioridade de trabalhar para melhorar a conectividade do Arco Atlântico nas futuras discussões com a Comissão Europeia, a fim de proceder a uma revisão do Mecanismo Connect Europe (MCE). ) para o próximo período de programação financeira da UE pós 2020.

O objectivo da proposta é obter um desenvolvimento equilibrado das redes de transportes, criando um verdadeiro “corredor atlântico” com a finalidade de contribuir e reforçar a criação de uma macro-região no espaço atlântico..

Com referência ao plano original, deve-se notar a ausência de eixos de conexão, como, por exemplo, com a Irlanda – onde seria possível estabelecer uma comunicação através dos portos da Pointe de Bretagne e Normandy – ou os pontos de conexão entre Porto e Vigo.

O estabelecimento de eixos de conectividade na fachada atlântica europeia, terrestre e marítima, é um objectivo essencial para a concretização da Estratégia Marítima Atlântica.

Neste contexto, a Mesa Executiva concordou em propor às instituições europeias que fosse estabelecida uma Estratégia Macroregional no Arco Atlântico a partir do próximo período de programação financeira 2021-2027, de forma a poder incluir todos os territórios do eixo Atlântico.

Consulte aqui nossa contribuição

E aqui a Declaração por uma Macro-região

Share